sábado, 11 de maio de 2013

Os fornos do Santo Antão

Convidado pelo AECT Douro/Duero, no âmbito de uma acção de intercâmbio jovem, inserido num conjunto de actividades a envolver rapaziada da Polónia, Itália, Espanha e Portugal, fui até Remondes, onde tive o prazer de conhecer pessoalmente António Cordeiro, gestor do blog "Remondes On Line". Por proposta dele, fomos em passeio até à bela quinta de Santo Antão, onde já tinha estado o ano passado, na festa local.
 Nesta altura do ano, os montes enchem-se de cores sortidas que embelezam de forma ímpar a nossa região. A propósito das giestas com flor amarela, António Cordeiro explicou-me que elas foram introduzidas na Península pelos romanos e que se destinariam a combater a "ronha" - doença que afectava o gado ovino.
 A magnífica flor da esteva.
Casa típica, no meio da aldeia de Remondes, "emparedada" por duas construções recentes.
 A quinta de Santo Antão, com os seus prados floridos.
 António Cordeiro a servir de cicerone a um grupo de italianos.
Um dos muitos fornos da pequena localidade.
Fotos: Antero Neto.
Uma das curiosas características do pequeno aglomerado urbano do Santo Antão prende-se com o elevado número de fornos de cozer o pão que ali se podem encontrar. A explicação, segundo António Cordeiro, prende-se com as péssimas relações de vizinhança, que faziam com que ninguém quisesse depender de favores dos outros. Impressionante! Os italianos ficaram incrédulos. Como é que era possível?
Foi uma boa caminhada, onde pude aprender mais alguma coisa. O meu muito obrigado à Conceição Meirinhos, em representação da AECT e da autarquia local, e a António Cordeiro, que é um poço de conhecimento, e com quem tenho que voltar a encontrar-me para mais umas visitas ao termo de Remondes.